Voluntárias Sociais da Bahia realizam terceira etapa das obras no Hospital Martagão Gesteira

A ordem de serviço para a terceira e última etapa das obras do Hospital Martagão Gesteira, em Salvador, foi assinada pelas Voluntárias Sociais da Bahia (VSBA) na sede do hospital. Participaram do evento a primeira-dama e presidente das VSBA, Aline Peixoto, o representante do Instituto Ivete Sangalo e sócio da Iessi, Fábio Almeida, e o presidente da Liga Álvaro Bahia Contra a Mortalidade Infantil, Carlos Emanuel Melo.

Será investido R$ 1,3 milhão nas obras. O valor, assim como os recursos das duas etapas anteriores, foi arrecadado por meio de shows beneficentes da cantora Ivete Sangalo, promovidos em parceria entre as VSBA e a Iessi, empresa que administra a carreira da artista.  Segundo o presidente da Liga Álvaro Bahia, entidade mantenedora do Martagão Gesteira, a parceria com o Governo do Estado e com as VSBA possibilitou o investimento da ordem de R$ 5 milhões na instituição, sendo R$ 3 milhões provenientes dos shows beneficentes de Ivete Sangalo. “Todos esses investimentos têm o objetivo de aumentar a quantidade e a qualidade dos atendimentos realizados aqui no hospital”, afirma. 

As Voluntárias Sociais já viabilizaram a construção de uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) pediátrica, além da reforma e ampliação da enfermaria da oncologia. “O resultado disso é um aumento considerável no número de atendimentos em oncologia. Em 2019, somente esse hospital foi responsável por 50% de todo o atendimento oncológico para crianças abaixo de 16 anos. Isso é uma comprovação indiscutível e efetiva de que os recursos foram aplicados na sua finalidade principal”, acrescenta. 

Das cirurgias oncológicas feitas pelo SUS em pacientes da faixa pediátrica em 2019, o Martagão Gesteira foi responsável pelo maior quantitativo: 44,54%. Se forem analisadas as neurológicas, nas mesmas condições, o hospital realizou a maior parte (31,68%). A liderança nos procedimentos de alta complexidade se repetiu ainda no tratamento em oncologia (49,18%) e na produção de diárias em UTI Pediátrica (20,85%).